Era uma vez um segredo...

Quis contar-te um segredo, recusaste-te a ouvi-lo. A partir daí marcaste a distância que existia entre nós que a névoa dos meus olhos não me permitia ver. Para ti um segredo é algo com pouco significado, afinal é comum a toda a gente. Quem é que não tem um segredo? No entanto, não insisti em desabafar contigo, também nem um pouco sensibilizado te mostraste em perceber o que ia em mim. Não foste capaz nesse momento de perceber que a partilha de um segredo que eu faria contigo iria de certa forma demonstrar que eras especial para mim e que eu confiava em ti.
Aos meus olhos, sempre foste a pessoa perfeita. Preocupavas-te comigo, até mostravas que tinhas tempo para as minhas parvoíces, estavas constantemente a meu lado independentemente se eu estivesse aqui, na Lua ou no outro lado do mundo, e eu inocentemente acreditava nesses gestos de carinho. Nós éramos capazes de passar longos minutos em silêncio ao lado um do outro. Sabes, eu sempre acreditei que apenas as pessoas que tinham grande confiança, proximidade e verdadeiro conhecimento um do outro é que eram capazes de estar lado a lado em silêncio. Há quem encare o silêncio como um obstáculo entre dois seres, mas connosco era diferente, eu pelo menos tentava através dele falar contigo, escondia as palavras que não querias ouvir e o meu olhar era a minha voz. Um sincero olhar no silêncio pode dizer tanto, mas infelizmente não é compreensível a todos, só pessoas verdadeiramente próximas e puras é que percebem quantas palavras e sentimentos transporta um olhar. Talvez tu nunca tenhas entendido o meu olhar a falar, talvez a tua insensibilidade estivesse mais presente do que eu imaginara. Momentos de silêncio que para mim foram puros instantes de delicada procura da minha alma pela tua, para ti não passaram de “tempos mortos”, contudo eu ainda acredito que foram algo mais para ti.
Eu hoje ainda guardo as palavras que em tempos tanto te quis dizer. O segredo continua em mim, mas com o tempo acabou por perder significado. Sabes porquê? Porque o segredo, era que eu te amava, e agora isto não faz mais sentido, afinal somos apenas amigos de longa data e há muito que eu não procuro momentos de silêncio contigo.

2 comentários:

Stéphanie disse...

sempre referi o meu apreço por este texto!

é de um segredo que todos um dia correm o risco de ter!:D

Lilly disse...

Por mais que pensemos que essa pessoa é única e que nos ajudará em tudo , isso nem sempre e verdade.
- Quando menos esperamos, (tal como descreves no teu texto) essa pessoa desilude-nos, mesmo que para ela não tivesse significado nenhum, para quem amo, tuo conta, nem que seja um ínfimo gesto, uma conversa, um sorriso ... Mas temos de ultrapassar todos os momentos menos bons que a vida nos reserva.
Beijinhos

Note.

[Imagens recolhidas do Google e do DevianArt]

Friend(s)